Um Conto de Natal

No comment yet

Robert Zemeckis regressa ao Natal em 3D, cinco anos após o sucesso relativo de Polar Express. Partindo da intemporal história de Sr. Scrooge, o velho rezingão londrino que odeia o Natal, criaddo por Charles Dickens e trabalhado inumeras vezes por outros realizadores.

Jim Carrey é o velho Scrooge, ávaro e azedo que em mais um Natal faz a vida negra a todos os que o rodeiam até ser visitado pelo fantasma do seu velho sócio, Sr. Marley que lhe anuncia a chegada de três espíritos que lhe darão a oportunidade de mudar a sua vida.

Assim é. O Sr. Scrooge recebe a visita do Espírito do Natal Passado, do Natal Presente e do Natal Futuro. O resto da história é bem conhecido.

O que aqui é diferente é a excêlencia da imagem digital. Fabulosas duas horas de muito bom cinema.

Lua Nova

1 comment
A Twilight Saga atraí milhões de infantes e adolescentes em todo o Mundo. Conta a história de amor entre uma jovem e um vampiro com 109 anos, que tem a mesma aparência jovem que ela. E é isto. Ontem fui ver Lua Nova que é mais do mesmo, sendo que agora há um lobisomen que compõe com o estranho par um triângulo amoroso.
Se em Crepúsculo a fantástica luz melancólica de Forks fazia valer a pena o filme, este Lua Nova não tem nada que valha a pena ver. As paisagens da pequena cidade estão tapadas por constantes close-ups de Robert Pattison (sempre com a mesma expressão, sempre com as mesmas falas) e de Kristen Stewart (menos má, mas má).
O filme conta como o vampiro decide abandonar a sua amada para que ela se afaste do seu mundo e não corra perigo mas na telenovela adolescente (música depressiva, amores desencontrados) a jovem continua a ver com frequência o seu amado lá longe. Entretanto destrai-se com o seu amigo índio que mostra o abdominais trabalhados de 5 em 5 minutos. Até que numa comparação com Romeu e Julieta, o vampiro refugiado no Rio de Janeiro se quer matar por pensar que a joven Bella tinha morrido.
UM ENORME BOCEJO. UM FILME PARA MENTECAPTOS.

Little Big Planet

No comment yet

Fabuloso jogo para a PSP. Iniciou LBP e dou comigo a ver uma colorida introdução com a voz única de Nuno Markl. A partir daquele momento estamos no mundo das ideias e da criatividade, ideias fugidias que temos e fogem para um mundo à parte. Este é o mundo. Assim que entramos em LBP temos o controlo do nosso Sackboy. Um pequeno boneco que podemos personalizar (o meu é de lá, veste calções, tem havaianas e um capacete) e depois seguimos um de dois caminhos: andamos sempre para a frente num simples jogo de plataformas com relaxantes e divertidos gráficos que nos fazem esquecer da vida ou damos uso à criatividade e criamos níveis loucos. E é isto. Uma divertida dose de loucura sem sentido, a não ser o sentido de nos divertirmos como em muito poucos jogos.

Leya boas ideias

2 comments

A Leya instalou em Sete Rios e Santa Apolónia máquinas de venda de livros. Em vez de se escolher um chocolate ou um croissant na máquina do lado é colocar as moedas e comprar um livro que, a avaliar pelas localizações, poderá tornar uma viagem de autocarro ou comboio bem mais agradável.
Rentável para o passageiro, literalmente rentável para a Leya. Boa ideia.

Cozido

No comment yet

Num dos restaurante do às vezes havia hoje, para o repasto, cozido à portuguesa ou como lhe chamei sempre cozido de couve. Na senda da dieta, como se não comer fizesse alguém feliz, peguei nos grandes pedaços de cenoura e lembrei-me de quem sabia fazer aquele prato. As couves de um verde triste, tombadas pelo quente caldo lembram-me a Avó Rosa, exímia na arte de matar a fome com classe, exímia na arte de ser avó.

Como se não fosse tudo a lembrar-me dela. É.

Eugénio de Andrade

No comment yet

Passamos pelas coisas sem as ver, gastos, como animais envelhecidos: se alguém chama por nós não respondemos, se alguém nos pede amor não estremecemos, como frutos de sombra sem sabor, vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Já tenho o meu Sackboy de bolso!

No comment yet

Irmãos e Irmãs

No comment yet

Para minha alegria saiu no fim da passada semana a terceira temporada de Irmãos e Irmãs. Após ver alguns episódios na TV lá comprei a primeira série (tem a preciosidade de não ter legendas em português, enquanto que a segunda terceira já têm...) eviciei-me.
É a vida típica de uma família americana. Disfuncional? Pois claro!
A mãe (uma Sally Field brilhante e já permiada por este papel) é a mãe-galinha que viveu e vive para os filhos e viveu para o marido falecido com quem construiu a empresa Ojai. Descobre é que o marido tinha duas amantes e os filhos ilegítimos vão aparecendo.
Há a filha mais velha (Rachel Griffits de Sete Palmos de Terra), responsável, mãe e empresária que vê o marido, músico libertino deixá-la. A filha mais nova (Calista Flockhart), uma determinada jornalista política que se junta ao candidato à Presidência (Rob Lowe). Há Tommy (Bal Getty) que saí ao pai, há Kevin o irmão gay e o mais novo Justin, ex-soldado, ex-drogado.
Como é fácil de notar, com estes pequenos perfis, não faltam situações de comédia e drama. A ver.

"A vida humana interira está dentro destas páginas ardentes"

51 comments

Volto ao livro da década como lhe chamou a Time. Vi em 2666 um livro para ir lendo como faço com o Livro do Desassossego mas após tentar começar a ler obras menores senti a falta e mergulhei na genialidade de Bolaño.
PS: Já está disponível uma edição especial com a capa diferente. Para coleccionadores.

Isto promete

No comment yet

2012

No comment yet

Quase três horas de mais um fim do mundo assinado por Roland Emmerich. Se "O dia da independência" e "O dia depois de amanhã" eram filmes sem grande sumo mas divertidos, este 2012 sobre desastres é ele próprio um desastre.Tem fantásticos efeitos especiais e tem os olhos bonitos de Amada Peet. E mais nada.