O homem solitário

3 comments

Solidão. Eis uma palavra em que Luís se banhava todos os dias da sua rídicula existência. Acordava todos os dias à mesma hora, saia de casa à mesma hora, entrava e saia do trabalho à mesma hora e à mesma hora ia dormir. Dos ponteiros da manhã até aos ponteiros da noite nada parecia mudar. Era escura a vida de Luís.

Um dia começou a sentir-se mal. O peito cheio, dores no coração. Parecia que tinha em si mil angústias presas e que elas lhe enchiam o peito ameaçando explodir-lhe as carnes contra o mundo. Foi a vários médicos mas muitos meses de exames e comprimidos apenas o fizeram mergulhar num quadro mais negro do que a sua amiga e habitual negritude.

Um dia quis acabar com tudo, foi até à ponta e tragicamente ia atirar-se. Ela ia a passar de carro. A madrugada ameaçava-se fazer-se dia e ela parou na ponte ainda vazia.

Correu até ele e disse para ele parar. Ele não se mexeu. Ela beijou-o. Nunca se tinham visto.

Ele sentiu todo o peso do peito lançar-se ao rio mas ele curiosamente não tinha ido para o rio nem para a eternidade de um um sono desconhecido, ele ainda estava ali e estava dentro da boca dela como que a ver-lhes os sonhos.

Ela voltou para o carro e ele seguiu-a. Ela deixou-o em casa sem lhe dar o corpo. Ele pintou a vida a novas cores, nunca mais a viu mas estava curado, o peito já não lhe pesava. Ela beijou-o e apresentou-o à esperança.

3 comments

Marta 05 April, 2007 04:59

Belíssima história!
Me identifiquei, e sento que muitos também se identificarão, pois a parceira mais amiga é a solidão, que não te abandona jamais, e quando todos se vão, é ela que fica...
E que às vezes, até mesmo entre várias pessoas, é ela que se destaca... entre tantos rostos...

Anonymous 08 April, 2007 11:07

grande história bro..não há palavras como sempre!!!

abraço fill

tati 08 September, 2007 20:29

a solidão é tão real em minha vida penso que nau sobreviveria sem ela